top of page

Câncer peniano: sinais e sintomas, diagnóstico, tratamento e prevenção



Sistema reprodutor masculino e mão isolada, fundo azul escuro digital. Atendimento especializado em medicina digital moderna

A maioria dos cânceres do pênis é de carcinomas de células escamosas e, geralmente, ocorrem em homens não circuncisados, em particular nos que não higienizam adequadamente o local. O diagnóstico é por biópsia. O tratamento do câncer peniano inclui excisão.


O câncer peniano é raro, com cerca de 2.200 casos e 460 mortes nos Estados Unidos e taxas mais altas em regiões como a América do Sul. Papilomavírus humano (HPV), em particular os tipos 16 e 18, exerce um papel na etiologia.


Outros fatores de risco incluem balanite, ausência de circuncisão, infecções sexualmente transmissíveis (particularmente HIV/aids e HPV), falta de higiene e tabagismo. Lesões pré-cancerosas incluem eritroplasia de Queyrat, doença de Bowen e papulose bowenoide.


A eritroplasia de Queyrat (que afeta a glande ou o prepúcio interno) e a doença de Bowen (que afeta o sulco peniano) progridem para carcinoma de células escamosas em 5 a 10% dos pacientes; a papulose bowenoide não parece fazer isso.


As 3 lesões têm apresentações clínicas e efeitos biológicos distintos, mas são virtualmente iguais histologicamente; de modo mais apropriado, podem ser denominadas neoplasias intraepiteliais ou carcinoma in situ.

Sinais e sintomas do câncer peniano

A maioria dos carcinomas de células escamosas origina-se na glande, no sulco coronal ou embaixo do prepúcio. Inicialmente, começam como uma lesão eritematosa pequena e ficam confinados à pele por um longo período.


Esses carcinomas podem crescer e tornar-se fungoides e exofíticos, ou ulcerativos e infiltrativos. O último tipo apresenta metástases mais comumente, geralmente para linfonodos inguinofemorais e pélvicos superficiais e profundos. As metástases a distância (p. ex., pulmões, fígado, osso, cérebro) são raras até tardiamente na evolução da doença.

Papulose bowenoide

Papulose bowenoide Papulose bowenoide é às vezes considerada uma lesão pré-maligna. Ela pode se manifestar como pápulas marrom a vermelhas na genitália, nesse caso, na haste peniana.
Papulose bowenoide é às vezes considerada uma lesão pré-maligna. Ela pode se manifestar como pápulas marrom a vermelhas na genitália, nesse caso, na haste peniana.

Doença de Bowen do pênis

Essa foto mostra lesões escamosas avermelhadas consistente com a doença de Bowen
Doença de Bowen do pênis. Essa foto mostra lesões escamosas avermelhadas consistente com a doença de Bowen

A maioria dos pacientes apresenta uma ferida que não cicatriza, enduração discreta da pele, ou crescimento verrucoso ou preenchido por pus. A úlcera pode ser superficial ou profunda, com bordas elevadas. Vários pacientes não percebem o câncer ou não o relatam imediatamente. A dor é incomum. Nódulos inguinais podem estar aumentados devido à inflamação e infecção secundária.

Diagnóstico do câncer peniano


  • Biópsia

Se há suspeita de câncer, é necessária biópsia (punção, incisão ou excisão); se possível, deve-se obter uma amostra do tecido sob a lesão. Ressonância magnética (RM) ou tomografia computadorizada (TC) ajudam a estadiar o câncer localizado, verificando a invasão dos corpos cavernosos e avaliando os linfonodos.

Tratamento do câncer peniano


  • Geralmente cirúrgico

Câncer infiltrativo não tratado do pênis evolui, tipicamente causando morte em 2 anos. Se tratado precocemente, o câncer peniano pode, geralmente, ser curado.

Tratamento tópico com 5-fluorouracila ou imiquimode e ablação a laser podem ser eficazes para lesões superficiais pequenas.


Pode-se considerar radioterapia (braquiterapia ou radioterapia com feixe externo) como monoterapia ou em conjunto com cirurgia e quimioterapia. Faz-se circuncisão para lesões do prepúcio. A excisão ampla é preferida para lesões recorrentes ou em pacientes que não podem ser acompanhados de maneira confiável. Pode-se realizar a cirurgia de Mohs, quando disponível, em vez de uma excisão ampla.

Lesões invasivas e de alto grau requerem ressecção mais radical. A penectomia parcial é apropriada se o tumor puder ser completamente excisado com margens adequadas, mantendo um coto peniano que permita a micção e a função sexual. A penectomia total (radical) é necessária para grandes lesões infiltrativas.


Se os tumores forem de alto grau ou invadirem os corpos cavernosos, é necessária linfadenectomia inguinal bilateral. Se há suspeita de doença bilateral com envolvimento de linfonodos, linfadenopatia unilateral volumosa ou linfadenopatia pélvica, recomenda-se quimioterapia antes da linfadenectomia.


O papel da radioterapia não foi estabelecido. Para câncer avançado invasivo, o tratamento paliativo pode incluir cirurgia e radioterapia, mas a cura é improvável. Quimioterapia para o câncer avançado apresenta sucesso limitado.


A terapia direcionada e a imunoterapia usadas para câncer de células escamosas cefálico e cervical pode ser útil para pacientes com câncer peniano, mas nenhum estudo definitivo apóia seu uso na prática clínica de rotina.

Prevenção do câncer peniano

As medidas que podem ajudar na prevenção são circuncisão no início da vida, higiene a longo prazo em homens não circuncidados e a vacinação recomendada contra o papilomavírus humano (HPV) em adolescentes.

Pontos-chave


  • O câncer de pênis é geralmente escamoso ou outro câncer de pele.

  • Considerar o câncer de pênis na presença de qualquer ulceração não cicatrizante, enduração ou crescimento purulento ou verrucoso, especialmente em homens não circuncisados.

  • Diagnosticar o câncer de pênis por biópsia e tratá-lo através de excisão.

  • O status dos linfonodos informa em relação à sobrevida. O uso adequado da linfadenectomia em pacientes com risco intermediário e alto é um componente essencial no tratamento dessa doença.


Por

, MD, Thomas Jefferson University

Avaliado clinicamente jan 2022



3.655 visualizações0 comentário
Banner-Sidebar-Residencia-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Revalida-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Atualizacao-402x1024.jpg
MedFlix Zaza.png
bottom of page