top of page

Termoterapia. Uma alternativa para o tratamento da Leishmaniose Tegumentar Americana




Fundo: antimoniais pentavalentes (Sb5) e miltefosina são as drogas de primeira linha para o tratamento da leishmaniose cutânea na Colômbia; entretanto, a toxicidade e a duração do tratamento impactam negativamente a adesão e o custo, justificando a busca ativa por melhores opções terapêuticas. Comparamos a eficácia e segurança da termoterapia e antimoniato de meglumina para o tratamento da leishmaniose cutânea na Colômbia.

Método: Um ensaio clínico aberto e randomizado de Fase III foi realizado em cinco centros de saúde militares. localizado no noroeste, centro e sul da Colômbia. Foram incluídos voluntários com diagnóstico parasitológico positivo (esfregaços corados com Giemsa) de leishmaniose cutânea. Uma única sessão de termoterapia envolvendo a aplicação de 50 ° C no centro e borda ativa de cada lesão. Antimoniato de meglumina foi administrado por via intramuscular na dose de 20 mg Sb5 / kg peso / dia por 20 dias.


Resultados: Ambos os grupos eram comparáveis. A eficácia da termoterapia foi de 64% (86/134 pacientes) por protocolo e 58% (86/149) por intenção de tratar. Para o grupo de antimoniato de meglumina, a eficácia por protocolo foi de 85% (103/121 pacientes) e 72% (103/143) por intenção de tratar. A eficácia entre os tratamentos foi estatisticamente significativa (p 0,01 e <0,001) para análise por intenção de tratar e por protocolo, respectivamente. Não houve diferença entre a resposta terapêutica com qualquer tratamento, independentemente da espécie de Leishmania responsável pela infecção. Os efeitos colaterais do antimoniato de meglumina incluíram mialgia, artralgia, dor de cabeça e febre. Em relação à termoterapia, o único efeito colateral foi dor na área da lesão quatro dias após o início do tratamento.


Conclusão: Embora a taxa de eficácia do antimoniato de meglumina tenha sido maior do que a da termoterapia para o tratamento da leishmaniose cutânea, os efeitos colaterais também foram maiores. Esses fatores, somados ao aumento dos custos, aos problemas de adesão ao tratamento e à progressiva falta de resposta terapêutica, nos levam a considerar a termoterapia como tratamento de primeira linha para a leishmaniose tegumentar.


López L, Robayo M, Vargas M, Vélez ID. Thermotherapy. An alternative for the treatment of American cutaneous leishmaniasis. Trials. 2012 May 17;13:58. doi: 10.1186/1745-6215-13-58. Erratum in: Trials. 2017 Sep 1;18(1):408. PMID: 22594858; PMCID: PMC3441257.


23 visualizações0 comentário
Banner-Sidebar-Residencia-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Revalida-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Atualizacao-402x1024.jpg
MedFlix Zaza.png
bottom of page