top of page

Abdome agudo (cirúrgico) - epidemiologia, diagnóstico e princípios gerais de manejo



Resumo: esta revisão comenta sobre epidemiologia, diagnóstico e princípios gerais do manejo cirúrgico em pacientes com abdome agudo. DEFINIÇÃO E EPIDEMIOLOGIA: A causa mais comum de dor abdominal aguda é a dor abdominal não específica (24 - 44,3% das populações do estudo), seguida por apendicite aguda (15,9 - 28,1%), doença biliar aguda (2,9 - 9,7%) e obstrução intestinal ou diverticulite em pacientes idosos. A apendicite aguda representa a causa da intervenção cirúrgica em dois terços das crianças com abdome agudo.


Diagnóstico: Um exame físico padronizado combinado com ultrassonografia (US) representa a investigação inicial em pacientes com dor abdominal aguda. Devido ao risco associado à radiação e aos custos, recomenda-se o uso seletivo de imagens de TC. O fluxo de trabalho apresentado neste artigo restringe o uso de imagens de TC a menos de 50% dos pacientes com dor abdominal aguda. A laparoscopia diagnóstica deve ser considerada em pacientes sem um diagnóstico específico após exames de imagem apropriados e como uma alternativa à observação clínica ativa, que é a prática atual em pacientes com dor abdominal inespecífica.


Gestão: A obstrução aguda do intestino delgado foi anteriormente considerada uma contra-indicação relativa para o tratamento laparoscópico, mas foi demonstrado que o tratamento laparoscópico é uma ferramenta elegante para o tratamento da obstrução do intestino delgado de banda simples. A laparoscopia diagnóstica à beira do leito é recomendada em pacientes de unidade de terapia intensiva (UTI) com abdome agudo ou sepse de origem desconhecida, na suspeita de colecistite aguda, hipoperfusão intestinal difusa e isquemia mesentérica ou em acidose láctica refratária, especialmente após cirurgia cardíaca. A administração precoce de analgesia a pacientes com dor abdominal aguda no departamento de emergência reduzirá o desconforto do paciente sem prejudicar a precisão diagnóstica clinicamente importante e é recomendada com base em alguns estudos prospectivos randomizados. Contudo, o impacto na precisão do diagnóstico depende da dosagem, tipo de aplicação e causa da dor abdominal aguda. A prática de fornecimento criterioso de analgesia, portanto, parece segura. Existem diferenças significativas entre o conhecimento da literatura atual e a prática rotineira de fornecer analgesia, como uma pesquisa demonstrou que menos de 50% dos médicos de emergência pediátrica e cirurgiões pediátricos geralmente estão dispostos a fornecer analgesia antes do diagnóstico definitivo.


Grundmann RT, Petersen M, Lippert H, Meyer F. Das akute (chirurgische) Abdomen - Epidemiologie, Diagnostik und allgemeine Prinzipien des Managements [The acute (surgical) abdomen - epidemiology, diagnosis and general principles of management]. Z Gastroenterol. 2010 Jun;48(6):696-706.


123 visualizações0 comentário
Banner-Sidebar-Residencia-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Revalida-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Atualizacao-402x1024.jpg
MedFlix Zaza.png
bottom of page