top of page

Resistência aos anestésicos locais: verdade ou mito?



A mastectomia é tradicionalmente realizada sob anestesia geral e ventilação invasiva, sendo muitas vezes complementada com técnicas regionais. Nesse cenário, a estenose traqueal pode representar um desafio para o manejo das vias aéreas. O objetivo deste relato é descrever o manejo bem-sucedido de uma mulher de 68 anos com estenose traqueal subglótica grave submetida a mastectomia devido a câncer de mama. A cirurgia foi realizada sem instrumentação das vias aéreas sob regime livre de opioides, consistindo de epidural torácica, propofol e perfusão de dexmedetomidina e analgésicos não opioides. Obteve-se ventilação espontânea e adequada analgesia perioperatória. Anestesia sem opioides sem instrumentação das vias aéreas, consistindo em anestesia peridural torácica e sedação,

Palavras-chave: Anestesia peridural; Anestesia livre de opioides; Relatos de casos; Casos clínicos; Dexmedetomidina; Dexmedetomidina; Anestesia epidural; Estenose traqueal; Mastectomia; Mastectomia; Anestesia sem opioides; Estenose traqueal.


Copyright © 2023 Sociedad Española de Anestesiología, Reanimación y Terapéutica del

Dolor. Publicado por Elsevier España, SLU Todos os direitos reservados.


16 visualizações0 comentário
Banner-Sidebar-Residencia-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Revalida-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Atualizacao-402x1024.jpg
MedFlix Zaza.png
bottom of page