top of page

Qual a eficácia e segurança dos tratamentos disponíveis para leishmaniose visceral no Brasil?


Introdução: Não há evidências suficientes para apoiar as recomendações de tratamento da leishmaniose visceral (LV) no Brasil e uma necessidade urgente de melhorar os tratamentos atuais. As combinações de medicamentos podem ser uma opção.


Métodos: Um ensaio multicêntrico, randomizado, aberto e controlado foi conduzido em cinco locais no Brasil para avaliar a eficácia e segurança de (i) desoxicolato de anfotericina B (AmphoB) (1 mg / kg / dia por 14 dias), (ii) lipossomal anfotericina B (LAMB) (3 mg / kg / dia por 7 dias) e (iii) uma combinação de LAMB (10 mg / kg em dose única) mais antimoniato de meglumina (MA) (20 mg Sb + 5 / kg / dia por 10 dias), em comparação com (iv) tratamento padrão com MA (20 mg Sb + 5 / kg / dia por 20 dias). Pacientes, com idades entre 6 meses e 50 anos, com LV confirmada e sem infecção pelo HIV foram incluídos no estudo. O endpoint primário de eficácia foi a cura clínica em 6 meses. Uma análise provisória de eficácia e segurança planejada levou à interrupção do ensaio.


Resultados: 378 pacientes foram randomizados para os quatro braços de tratamento: MA (n = 112), AmphoB (n = 45), LAMB (n = 109) ou LAMB mais MA (n = 112). Uma alta toxicidade do AmphoB levou a uma análise de segurança provisória não planejada e este braço de tratamento foi descartado. As análises finais do protocolo de intenção de tratar dos 332 pacientes restantes mostram taxas de cura em 6 meses de 77,5% para MA, 87,2% para LAMB e 83,9% para LAMB mais MA, sem diferenças estatisticamente significativas entre os braços experimentais e o comparador ( LAMB: 9,7%; CI95% -0,28 a 19,68, p = 0,06; LAMB mais MA: 6,4%; CI95% -3,93 a 16,73; p = 0,222). A monoterapia LAMB foi mais segura do que MA em relação à frequência de eventos adversos relacionados ao tratamento (EA) (p = 0,045), proporção de pacientes apresentando pelo menos um EA grave (p = 0,029).


Conclusões: Devido à menor toxicidade e eficácia aceitável, LAMB seria um tratamento de primeira linha mais adequado para LV do que o tratamento padrão. Número de identificação ClinicalTrials.gov: NCT01310738 .


Romero GAS, Costa DL, Costa CHN, de Almeida RP, de Melo EV, de Carvalho SFG, Rabello A, de Carvalho AL, Sousa AQ, Leite RD, Lima SS, Amaral TA, Alves FP, Rode J; Collaborative LVBrasil Group. Efficacy and safety of available treatments for visceral leishmaniasis in Brazil: A multicenter, randomized, open label trial. PLoS Negl Trop Dis. 2017 Jun 29;11(6):e0005706. doi: 10.1371/journal.pntd.0005706. PMID: 28662034; PMCID: PMC5507560.

4 visualizações0 comentário
Banner-Sidebar-Residencia-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Revalida-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Atualizacao-402x1024.jpg
MedFlix Zaza.png
bottom of page