top of page

Transtorno de personalidade esquizotípica


personalidade esquizotípica

O transtorno de personalidade esquizotípica é caracterizado por um padrão generalizado de desconforto intenso com relacionamentos íntimos e com capacidade reduzida para tal, por cognição e percepções distorcidas e por comportamento excêntrico. O diagnóstico é por critérios clínicos. O tratamento é com fármacos antipsicóticos, antidepressivos e terapia cognitivo-comportamental. No transtorno de personalidade esquizotípica, experiências cognitivas refletem um distanciamento mais florido da realidade (p. ex., ideias de referência, ideias paranoides, ilusões corporais, pensamento mágico) e uma maior desorganização do pensamento e da fala do que aqueles que ocorrem em outros transtornos de personalidade.

A prevalência descrita do transtorno da personalidade esquizotípica varia, mas a prevalência estimada é 3,9% da população norte-americana em geral. Esse transtorno pode ser ligeiramente mais comum entre homens.

Comorbidades são comuns. Mais da metade dos pacientes com transtorno de personalidade esquizotípica tiveram ≥ 1 episódio de transtorno depressivo maior, e 30 a 50% deles têm transtorno depressivo maior quando o transtorno de personalidade esquizotípica é diagnosticado. Esses pacientes muitas vezes também têm transtorno de dependência química.

Etiologia do transtorno de personalidade esquizotípica

Considera-se que a etiologia do transtorno de personalidade esquizotípica seja essencialmente biológica porque ele compartilha muitas das anormalidades cerebrais características da esquizofrenia. É mais comum em parentes de 1º grau de pessoas com esquizofrenia ou outro transtorno psicótico.Sinais e sintomas do transtorno de personalidade esquizotípica

Pacientes com transtorno de personalidade esquizotípica não têm amigos ou confidentes, exceto parentes de 1º grau. Eles não se sentem à vontade em se relacionar com as pessoas. Eles interagem com as pessoas como se fosse uma obrigação, mas preferem não interagir porque acham que são diferentes e não são bem-vindos. Mas eles podem dizer que a falta de relacionamentos torna-os infelizes. Eles ficam muito ansiosos em situações sociais, especialmente aquelas desconhecidas. Passar mais tempo em uma situação não alivia a ansiedade.

Esses pacientes muitas vezes interpretam incorretamente ocorrências comuns como tendo um significado especial para eles (ideias de referência). Eles podem ser supersticiosos ou achar que têm poderes paranormais especiais que lhes permitem detectar eventos antes que aconteçam ou ler a mente das outras pessoas. Eles podem achar que têm controle mágico sobre os outros, achando que podem levar outras pessoas a fazer coisas comuns (p. ex., alimentar o cão), ou que a realização de rituais mágicos pode impedir danos (p. ex., lavar as mãos 3 vezes pode prevenir doenças).

A fala pode ser estranha. Pode ser excessivamente abstrata ou concreta ou conter frases estranhas ou usar frases ou palavras de formas bizarras. Os pacientes com transtorno de personalidade esquizotípica costumam se vestir de maneira estranha ou descuidada (p. ex., usando roupas de tamanho errado ou sujas) e têm maneirismos estranhos. Eles podem ignorar convenções sociais comuns (p. ex., não fazer contato visual) e, como não entendem as dicas sociais habituais, eles podem interagir com os outros de forma inadequada ou rígida.

Pacientes com transtorno de personalidade esquizotípica muitas vezes têm suspeitas e podem achar que os outros estão tentando interferir em suas vidas.


Diagnóstico do transtorno de personalidade esquizotípica

  • Clinical criteria (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition [DSM-5])

Para o diagnóstico do transtorno da personalidade esquizotípica, os pacientes devem ter

  • Padrão persistente de desconforto intenso e capacidade reduzida de estabelecer relacionamentos íntimos

  • Distorções cognitivas ou perceptivas e excentricidades comportamentais

Esse padrão se caracteriza por ≥ 5 dos seguintes:

  • Ideias de referência (noções de que ocorrências diárias têm um significado especial ou significado pessoalmente intencional ou direcionado para eles mesmos), mas não delírios de referência (que são semelhantes, mas mantidos com maior convicção)

  • Crenças estranhas ou pensamento mágico (p. ex., acreditar em clarividência, telepatia ou sexto sentido; estar preocupado com fenômenos paranormais)

  • Experiências de percepção incomuns (p. ex., ouvir uma voz sussurrando seus nomes)

  • Pensamento e fala estranhos (p. ex., que é vago, metafórico, excessivamente complexo ou estereotipado)

  • Suspeitas ou pensamentos paranoicos

  • Afeto incongruente ou limitado

  • Comportamento e/ou aparência estranho, excêntrico ou peculiar

  • Falta de amigos íntimos ou confidentes, exceto para parentes de 1º grau

  • Ansiedade social excessiva que não diminui com a familiaridade e está relacionada principalmente com medos paranoicos

Além disso, os sintomas devem ter ocorrido no início da idade adulta.

Diagnóstico diferencial

O principal desafio do diagnóstico é diferenciar o transtorno da personalidade esquizotípica de

  • Transtornos de pensamento maior: esses transtornos (p. ex., esquizofrenia, transtorno bipolar ou transtorno depressivo com características psicóticas) tipicamente têm manifestações mais graves e são acompanhados de delírios e alucinações.

O diagnóstico diferencial também compreende:

  • Transtorno de personalidade paranoicae transtorno de personalidade esquizoide: o transtorno de personalidade esquizotípica pode ser diferenciando dos transtornos de personalidade paranoide e esquizoide porque os pacientes com esses transtornos de personalidade não têm pensamentos e comportamentos estranhos e desorganizados.


Tratamento do transtorno de personalidade esquizotípica

  • Antipsicóticos atípicos (de 2ª geração) e antidepressivos

  • Terapia cognitivo-comportamental

O tratamento geral do transtorno de personalidade esquizotípica é o mesmo que para todos os transtornos de personalidade.

Transtorno de personalidade esquizotípica é comumente tratado com fármacos. Antipsicóticos atípicos diminuem a ansiedade e os sintomas psicóticos; os antidepressivos também podem ajudar a diminuir a ansiedade nos pacientes com transtorno de personalidade esquizotípica.

Terapia cognitivo-comportamental que focaliza a aquisição de habilidades sociais e o tratamento da ansiedade pode ajudar. Essa terapia também pode aumentar a conscientização dos pacientes de como seus próprios comportamentos podem ser percebidos.

Psicoterapia de suporte também é útil. O objetivo é estabelecer um relacionamento emocional, encorajador e solidário com o paciente e, assim, ajudá-lo a desenvolver mecanismos de defesa saudáveis, especialmente nos relacionamentos interpessoais.

Por Mark Zimmerman , MD, Rhode Island Hospital Avaliado clinicamente mai 2021 | modificado set 2022

268 visualizações0 comentário
Banner-Sidebar-Residencia-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Revalida-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Atualizacao-402x1024.jpg
MedFlix Zaza.png
bottom of page