top of page

A função motora esofágica melhora com o tempo após a cirurgia anti-refluxo bem-sucedida?



Objetivo principal: Há um debate contínuo se as anormalidades motoras associadas à doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) são fenômenos primários ou ocorrem como consequência de lesões repetidas causadas por inflamação. Para obter novos insights sobre os mecanismos envolvidos, os pacientes foram estudados antes e três anos após o controle de refluxo eficaz e durável induzido por dois tipos de fundoplicatura.


Pacientes e métodos: Trinta e três pacientes consecutivos com DRGE crônica entraram no estudo. Todos os pacientes tinham história clínica de DRGE avaliada sintomaticamente, endoscopicamente e por meio de pHmetria de 24 horas. Dezoito foram randomizados para uma semifundoplicatura de 180 graus (Toupet) e 15 para um envoltório fúndico total (Nissen-Rossetti). A manometria foi realizada no pré-operatório, seis meses e três anos após a operação, avaliando a função motora em áreas definidas do esôfago tubular e esfíncter esofágico inferior.


Resultados: Todos os pacientes tiveram um controle adequado da DRGE quando avaliados objetiva e clinicamente. No pós-operatório, o tônus ​​de repouso do esfíncter esofágico inferior foi significativamente maior no grupo Nissen-Rossetti (p <0,05), e a porção intra-abdominal do esfíncter esofágico inferior foi de comprimento idêntico nos dois grupos. Um aumento significativo na amplitude peristáltica no terço médio e distal do esôfago foi registrado no acompanhamento a longo prazo em comparação com os achados pré-operatórios (p <0,05), mas não houve efeito correspondente na velocidade de propagação e duração da contração. No entanto, um aumento na amplitude peristáltica e, como conseqüência provisória, uma diminuição significativa (p <0,05) na frequência de peristaltismo primário foi encontrado apenas em pacientes operados com um envoltório fúndico total.


Conclusão: Apesar do controle de refluxo adequado e durável após fundoplicatura em pacientes com DRGE crônica, nenhuma alteração foi encontrada na função motora esofágica com o tempo. A maior amplitude de contração e a diminuição da frequência de falha do peristaltismo primário observada em pacientes com envolvimento fúndico total foram, portanto, mais provavelmente devido a uma obstrução mecânica do fluxo na junção gastroesofágica. Esses resultados podem, portanto, ser interpretados em favor da hipótese de que a DRGE está patogeneticamente ligada a um defeito primário na função motora esofágica.


Rydberg L, Ruth M, Lundell L. Does oesophageal motor function improve with time after successful antireflux surgery? Results of a prospective, randomised clinical study. Gut. 1997 Jul;41(1):82-6. doi: 10.1136/gut.41.1.82. PMID: 9274477; PMCID: PMC1027233.


4 visualizações0 comentário
Banner-Sidebar-Residencia-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Revalida-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Atualizacao-402x1024.jpg
MedFlix Zaza.png
bottom of page