top of page

Eficácia e segurança de sugamadex vs neostigmina na reversão do bloqueio neuromuscular em adulto


Mão com seringa - saúde

Abstrato

Introdução: Os inibidores da acetilcolinesterase, como a neostigmina, têm sido tradicionalmente usados ​​para reversão de agentes bloqueadores neuromusculares não despolarizantes. No entanto, essas drogas têm limitações significativas, como mecanismos indiretos de reversão, eficácia limitada e imprevisível e respostas autonômicas indesejáveis. Sugamadex é um agente ligante relaxante seletivo desenvolvido especificamente para reversão rápida do bloqueio neuromuscular não despolarizante induzido por rocurônio. Seus potenciais benefícios clínicos incluem reversão rápida e previsível de qualquer grau de bloqueio, aumento da segurança do paciente, redução da incidência de bloqueio residual na recuperação e uso mais eficiente dos recursos de saúde.

Objetivos: O objetivo principal desta revisão foi comparar a eficácia e segurança do sugamadex versus neostigmina na reversão do bloqueio neuromuscular causado por agentes neuromusculares não despolarizantes em adultos.

Métodos de busca: Pesquisamos os seguintes bancos de dados em 2 de maio de 2016: Cochrane Central Register of Controlled Trials (CENTRAL); MEDLINE (WebSPIRS Ovid SP), Embase (WebSPIRS Ovid SP) e os registros de ensaios clínicos www.controled-trials.com, Clinicaltrials.gov e www.centerwatch.com. Reexecutamos a pesquisa em 10 de maio de 2017.

Critérios de seleção: Incluímos ensaios clínicos randomizados (RCTs), independentemente do status da publicação, data de publicação, status de cegamento, resultados publicados ou idioma. Incluímos adultos, classificados como American Society of Anesthesiologists (ASA) I a IV, que receberam bloqueadores neuromusculares não despolarizantes para procedimento cirúrgico eletivo em regime de internação ou ambulatório. Incluímos todos os estudos comparando sugamadex versus neostigmina que relataram tempos de recuperação ou eventos adversos. Incluímos qualquer dose de sugamadex e neostigmina e qualquer momento de administração do medicamento em estudo.


Coleta e análise de dados: Dois revisores analisaram independentemente títulos e resumos para identificar os ensaios para elegibilidade, examinaram artigos para elegibilidade, resumiram dados, avaliaram os artigos e excluíram relatórios obviamente irrelevantes. Resolvemos divergências por discussão entre os autores da revisão e outras divergências por meio de consulta ao último autor da revisão. Avaliamos o risco de viés em 10 domínios metodológicos usando a ferramenta Cochrane de risco de viés e examinamos o risco de erro aleatório por meio de análise sequencial de julgamento. Usamos os princípios da abordagem GRADE para preparar uma avaliação geral da qualidade das evidências. Para nossos resultados primários (tempos de recuperação para relação de trem de quatro (TOFR) > 0,9), apresentamos dados como diferenças médias (MDs) com intervalos de confiança de 95% (CIs),

Principais resultados: Incluímos 41 estudos (4.206 participantes) nesta revisão atualizada, 38 dos quais eram novos estudos. Doze estudos foram elegíveis para meta-análise de resultados primários (n = 949), 28 estudos foram elegíveis para meta-análise de resultados secundários (n = 2298) e 10 estudos (n = 1647) não foram elegíveis para meta-análise. compararam sugamadex 2 mg/kg e neostigmina 0,05 mg/kg para reversão do bloqueio neuromuscular (BNM) moderado induzido por rocurônio. Sugamadex 2 mg/kg foi 10,22 minutos (6,6 vezes) mais rápido do que neostigmina 0,05 mg/kg (1,96 vs 12,87 minutos) na reversão do NMB da segunda contração muscular (T2) para TOFR > 0,9 (MD 10,22 minutos, IC 95% 8,48 a 11,96 ; eu 2= 84%; 10 estudos, n = 835; GRAU: qualidade moderada). Comparamos sugamadex 4 mg/kg e neostigmina 0,07 mg/kg para reversão de BNM profundo induzido por rocurônio. Sugamadex 4 mg/kg foi 45,78 minutos (16,8 vezes) mais rápido do que neostigmina 0,07 mg/kg (2,9 vs 48,8 minutos) na reversão de NMB de contagem pós-tetânica (PTC) 1 a 5 para TOFR > 0,9 (MD 45,78 minutos, 95% CI 39,41 a 52,15; I 2 = 0%; dois estudos, n = 114; GRADE: baixa qualidade).


Eventos. Encontramos significativamente menos eventos adversos compostos no grupo sugamadex em comparação com o grupo neostigmina (RR 0,60, IC 95% 0,49 a 0,74; I 2= 40%; 28 estudos, n = 2298; GRAU: qualidade moderada). O risco de eventos adversos foi de 28% no grupo neostigmina e 16% no grupo sugamadex, resultando em um número necessário para tratar para um resultado benéfico adicional (NNTB) de 8.


Ao observar eventos adversos específicos, observamos um risco significativamente menor de bradicardia (RR 0,16, IC 95% 0,07 a 0,34; I 2 = 0%; 11 estudos, n = 1218; NNTB 14; GRADE: qualidade moderada), náusea e vômito pós-operatório (NVPO) (RR 0,52, IC 95% 0,28 a 0,97; I 2 = 0%; seis estudos, n = 389; NNTB 16; GRADE: baixa qualidade) e sinais gerais de paralisia residual pós-operatória (RR 0,40, IC 95% 0,28 a 0,57; I 2= 0%; 15 estudos, n = 1474; NNTB 13; GRADE: qualidade moderada) no grupo sugamadex quando comparado com o grupo neostigmina. Finalmente, não encontramos diferenças significativas entre sugamadex e neostigmina em relação ao risco de eventos adversos graves (RR 0,54, IC 95% 0,13 a 2,25; I 2 = 0%; 10 estudos, n = 959; GRADE: baixa qualidade). a análise sequencial (TSA) indica a superioridade do sugamadex para resultados como tempo de recuperação de T2 para TOFR > 0,9, eventos adversos e sinais gerais de paralisia residual pós-operatória.

Conclusões dos autores: Os resultados da revisão sugerem que, em comparação com a neostigmina, o sugamadex pode reverter mais rapidamente o bloqueio neuromuscular induzido pelo rocurônio, independentemente da profundidade do bloqueio. Sugamadex 2 mg/kg é 10,22 minutos (˜ 6,6 vezes) mais rápido na reversão do bloqueio neuromuscular moderado (T2) do que neostigmina 0,05 mg/kg (GRADE: qualidade moderada), e sugamadex 4 mg/kg é 45,78 minutos (˜ 16,8 vezes) mais rápido na reversão do bloqueio neuromuscular profundo (PTC 1 a 5) do que neostigmina 0,07 mg/kg (GRADE: baixa qualidade). Com um NNTB de 8 para evitar um evento adverso, o sugamadex parece ter um perfil de segurança melhor do que a neostigmina. Os pacientes que receberam sugamadex tiveram 40% menos eventos adversos em comparação com aqueles que receberam neostigmina.


Especificamente, riscos de bradicardia (RR 0,16, NNTB 14; GRADE: qualidade moderada), NVPO (RR 0,52, NNTB 16; GRADE: baixa qualidade), e os sinais gerais de paralisia residual pós-operatória (RR 0,40, NNTB 13; GRADE: qualidade moderada) foram reduzidos. Tanto o sugamadex quanto a neostigmina foram associados a eventos adversos graves em menos de 1% dos pacientes, e os dados não mostraram diferenças no risco de eventos adversos graves entre os grupos (RR 0,54; GRADE: baixa qualidade).


37 visualizações0 comentário
Banner-Sidebar-Residencia-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Revalida-402x1024.jpg
Banner-Sidebar-Atualizacao-402x1024.jpg
MedFlix Zaza.png
bottom of page